quarta-feira, 20 de julho de 2016

O Monte Palatino com as suas Domus Romanas, as casas dos imperadores



Após uma visita ao Coliseu, o mergulho pela História segue em frente com a visita ao Monte Palatino. O Palatino faz parte dos sete montes que deram origem a Roma, além dele as outras colinas são o Aventino, Esquilino, Capitólio, Quirinal, Célio e Viminal.



O Monte Palatino ficou conhecido como o local da residência do primeiro imperador de Roma, Otávio Augusto e de toda aristocracia romana.






Foi aqui no Monte Palatino que nasceu a lenda de Remo e Rômulo, que teriam sido criados por uma loba, depois de terem sido jogados no Rio Tibre por um tio em um cesto.



Após livrar-se do irmão, Rômulo teria fundado a aldeia e chamado Roma. Vestígios arqueológicos encontrados do século 8 a.C. dariam sustentação científica ao fato.






O primeiro imperador de Roma, Augusto, teria nascido no Monte Palatino, no ano de 63 a.C., e viveria em uma modesta casa depois de se tornar o imperador. O local se chama Casa de Lívia, em homenagem a sua esposa.



A casa foi aberta ao público em 2008 e ainda possui os afrescos originais.


A Domus Augustana, era a ala particular e privada do palácio imperial, que foram chamadas de Augustus por mais de 300 anos. Domus significa casa, em latim.




         

Hoje restam ruínas, mas a visita ao Monte Palatino é incrível.

          

 Um jardim interno também fazia parte da Domus Augustana.a foto ilustra abaixo seria a fonte do palácio.





                     































                           

Durante o reinado do imperador Sétimo Severo, de 193 a 211 d.C., foi ampliado a Domus Augustana e passou a ir além das colinas do Palatino.
     








        

Mas foi o imperador Dominicano quem teria construído a mais suntuosa casa do local, a Domus Flávia, que era considerada a mais esplêndida de todas as vilas.



O pátio da Domus Flávia usava mármore como espelho, a mando do Imperador Domiciano, para ele pudesse ver potenciais assassinos que se aproximassem do palácios.







Essa é a parte central do que restou do Domus Flavia, em todo seu esplendor.

          

 Hoje só restam as ruínas do que foram os magníficos palácio romanos



Não é possível passar dos limites para entrar nas ruínas.



Na parte detrás do Monte Palatino está o que restou do Circus Maximus, o local onde se davam festivais e corridas de bigas.



O ingresso para o Monte Palatino é um combo com o Fórum Romano e o Coliseu, e custa ¢ 12,00. Para comprar on line é acrescida uma taxa, fazendo o ingresso custar 16 euros.

           

O Monte Palatino funciona no mesmo horário que o Coliseu e abre todos os dias, das 8h30 e fecha uma hora antes do por do sol.



Os horários do por do sol, segundo os italianos, são:

               
- das 8h30 as 15h30, da última semana de outubro a 15  de fevereiro.
- das 8h30 as 16hs, de 16 de fevereiro a 15 de março.
- das 8h30 as 16h30, de 16 de março ao último sábado de março.
- das 08h30 as 18h15, do último domingo de março até 31 de agosto.
- das 8h30 as 18hs, de 1 até 30 de setembro.
- das 8h30 as 17h30 de 1 de outubro ao último sábado de outubro.

           

Para ingressos oficiais, clique aqui.



Metrô: Coliseu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário