sexta-feira, 26 de agosto de 2016

A impressionante Galleria Borghese e suas esculturas


  




A Galleria Borghese foi criada em 1605 para abrigar a coleção privada do cardeal Scipione Borghese, sobrinho do papa Paulo V. Amante das artes terrenas, o cardeal criou uma das maiores coleções da Itália. Fazia qualquer negociata para adquirir mais e mais obras de arte para aumentar sua coleção. Entre suas canalhices destaca-se o roubo da obra de Raphaello Sanzio, Depozicione,      de uma igreja de Perugia. Em outra ocasião colocou um pintor na cadeia por não querer lhe vender      sua obra. Também era comum acusar outros colecionadores de algo, para presos, usurpar suas obras    de arte.


A Sala 1 - Sala de Paolina

Logo na entrada da Galleria Borghese, na sala I, está a escultura  Vênus Victrix. Toda em mármore carrara, a belíssima obra foi esculpida por Antonio Canova em homenagem a francesa Paolina Borghese, irmã de Napoleão Bonaparte. Suas belas formas foram talhadas no auge dos seus 23 anos, casada então com um homem décadas mais velho, o príncipe Borghese. Paolina foi retratada nua, com uma maçã na mão. Pedido pela própria Paolina, a estátua era um presente ao marido, o que provocou um escândalo na época.



2 - As Salas de Gian Lorenzo Bernini



A Sala Bernini é uma das mais impressionantes salas de esculturas do mundo. Creio que rivaliza somente com o Jardim das Esculturas do Museu Rodin, em Paris. Gian Lorenzo Bernini foi um dos maiores escultores de todos os tempos, comparável somente a Michelangelo como escultor e o próprio Rodin. Suas impressionantes e  perfeitas esculturas estão espalhadas por toda Roma, esculpidas nas fontes da Piazza Navona, Barberini e Spagna e no Baladaquinno da Basílica San Pietro. Como arquiteto foi igualmente genial, pois criou a praça e as colunatas da Piazza San Pietro.



Talvez seja impossível descrever a beleza, a leveza e a perfeição de suas obras. A mais impressionante e a que mais me fascina é O Rapto da Proserpina. Vejam essas fotos a beleza das mãos do deus romano Plutão (ou grego Hades), o deus do mundo inferior, levando Proserpina (ou a grega Perséfone) para ser sua esposa. Os cabelos de Proserpinas são talhados com perfeição.



As mãos fortes de Plutão apertam as carnes macias de Proserpina.



A barba de Plutão é outro ponto alto da obra.



Aos pés da escultura está um cão com três cabeças simbolizando o inferno, onde Plutão/Hades reina. Essa escultura é impressionante.

          




Outra obra de deixar o queixo caído é Apolo e Dafne, de 1624.



Os corpos longilíneos, os cabelos perfeitos, a leveza da ninfa Dafne com folhas de louro brotando em suas mãos e com raízes tomando suas pernas retratam o momento em que ela começa a se transformar em árvore, durante seu rapto pelo deus Apolo.

 

Uma casca vai tomando parte do corpo da jovem.



O rosto de Dafne retrata o terror e a de Apolo a surpresa ante a transformação da amada.

          

A obra é impressionante em todos seus detalhes.



A terceira peça incrível de Gian Lorenzo Bernini é Davi. Aqui sem Golias.



O que mais chama a atenção é o rosto tenso de Davi, no momento que se prepara para jogar a pedra no gigante bíblico.



A lenda da obra diz que o papa Urbano VIII deu um espelho para o escultor Gian Lorenzo Bernini, para que se olhasse no momento que esculpia, para retratar o mesmo rosto tensionado. Na mão, está o estilingue com a pedra, e transpassado ao seu corpo, a bolsa de pedras.



A obra Eneas que foge de Tróia em chamas salvando o pai Anchise e o filho Ascanio é outro destaque da galeria Essa obra tem senhor nome. Enéas carrega o pai idoso com o filho pequeno pequeno de uma Tróia em chamas. Uma perfeição.

         


La Veritá, de 1680, seria uma obra inacabada do artista, devido sua morte. Particularmente a obra me parece perfeita.



O destaque é a mão grudada no mamilo.

               

Uma cópia do Hermafrodita Dormindo está exposto na Galleria Borghese. O original, de Bernini, está no Museu do Louvre. Foi levado por Napoleão Bonaparte junto com outras 200 obras, trocadas pelo pelo príncipe Borghese com seu cunhado.



Abaixo, o busto do famigerado Cardeal Borghese feito por Bernini.



     

As salas são lindas, e as obras do escultor preferido da igreja romana são impressionantes.

        



Mas essas são somente as principais obras, do principal escultor. Muitas outras são vistas nas salas do térreo, o Salote.



          

Esculturas romanas e gregas, como a cópia abaixo do Espinário, cujo original está no Musei Capitolini.



São esculturas de todos os tamanhos, a maioria em mármore, mas  também há trabalhos em bronze e cobre.


   
Além da Grécia, o Egito também está presente na coleção Borghese.




 



Outra dica é nunca deixar de admirar o teto dessas salas, outra atração da villa.



Uma bela maquete de mármore, toda esculpida,e gira está em uma das salas do museu. Conforme ela vai rodando, retrata cenas de uma batalha do exército romano.
       


Se todas essas obras ainda não te convenceram a fazer uma visita a impressionante Galleria Borghese, te convido a conferir o próximo post com as pinturas do acervo, com destaque para Caravaggio. O outro mestre do Barroco.




Nenhum comentário:

Postar um comentário