quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Um passeio na Villa Borghese



O maior e mais querido parque dos romanos é a Villa Borghese. Avenidas e alamedas cortam o parque, repletas de estátuas e fontes, mansões, museus, teatros, praças e jardins. Além dessas atrações, o parque está no alto do Monte Pinciano, que proporciona uma da bela vista de Roma, dos seus belvederes.



Criada pelo cardeal Scipione Borghese, o amplo parque possui a famosa Galleria Borghese,  com pinturas e esculturas de artistas, como Caravaggio, Rafael, Tiziano e Bernini.



A entrada principal do parque (na foto abaixo), é uma réplica do Arco de Sétimo Severo.

Uma das entradas do parque, próximo a Porta Flamínio

























Outro museu excelente é o Museu Etrusco, na Villa Giulia, com a maior coleção de artes e objetos desse povo que deu origem a província do Lácio.

 

Da Piazza Buscarest, próximo a Piazza de Santa Maria del Popolo, a vista é privilegiadíssima. No verão o local é ponto de encontro dos jovens romanos.



Do lado sudoeste do parque está a Villa Médici, que é a sede da Academia Francesa em Roma. O trabalho da Academia Francesa é muito interessante pois aceitam artistas e pesquisadores de Arte para cursos de curta duração, com estadia na própria vila.  



O parque passou por vários estilos, do clássico ao romântico, desde sua criação em 1605.



Muitas da esculturas foram criadas pelo escultor Pietro Bernini, pai de Gian Lorenzo, que criou também um jardim secreto de flores e áreas para animais exóticos, no século 16.




Já em 1773, artistas como Claude Lorrain e Poussin foram recriando outros ambientes, adaptados ao estilo romântico da época.



Nos séculos 18 e 19 foram acrescentados mais templos, fontes e casas de campo dentro do parque. As villas foram compradas pelo governo italiano no início do século XX. No ano de 1921, a Villa Borghese recebeu a Exposição Internacional.



Outra atração do parque é o Templo de Esculápio, um templo jônico, do século XVIII dedicado ao deus grego da Medicina.



Em dias bonitos, artistas se apresentam na Villa Borghese, geralmente próximos a Piazza Bucarest.




          



O parque é imenso, mas pode-se encontrar diversas maneiras de atravessá-lo.



As mais populares são os quadriciclos ou o trenzinho, que parte de um lado a outro do parque (da Piazza Bucarest a Galleria Borghese, ou vice-versa).





          

As atrações fazem a alegria da garotada. Aliás, a Villa Borghese é extremamente apreciada pelos pais, pois a diversidade de atrações no parque e sua imensa área arborizada encantam a criançada.



O trenzinho custa 5 euros por pessoa.






O parque é bem policiado e tranquilo, proporcionando uma ótima opção de diversão para toda a família.







Um parquinho de diversões no meio do parque, dão alguns minutos de descanso aos pais.





Na Villa Borghese também está o Jardim Zoológico de Roma, mais conhecido como Bioparco di Roma. 







É possível também encontrar algumas cafeterias e bares dentro do parque.





Mas a maior atração da Villa Borghese é a Galleria Borghese, que foi criada pelo cardeal de mesmo nome, sobrinho do papa Paolo V. O cardeal Scipione Borghese, lembrado por seus luxos e como ávido colecionador de arte.



A Galleria Borghese foi construída em 1605 como uma casa de campo romana, mas o cardeal a usava para exibir o sua coleção de arte.



Construída pelo arquiteto Flamínio Ponzio, arquiteto de Paolo V, era também onde o cardeal recebia seus convidados.



No século 17, a villa ainda pertencia a família Borghese. O príncipe Camillo Borghese era casado com a irmã de Napoleão Bonaparte, Pauline, e vendeu para seu cunhado 200 esculturas da coleção de arte da família,  por uma propriedade no Piemonte.

        

Essas esculturas estão no acervo no Museu do Louvre, em Paris.



Para acessar o site da Galleria Borghese, clique http://www.galleriaborghese.it/.

O parque fica fechado a noite. A estação mais próxima é a Flamínio. Os ônibus que param mais próximos ao parque são os de número 52, 53, 88, 95, 115 e 490.

Nenhum comentário:

Postar um comentário