domingo, 25 de setembro de 2016

O bairro do Marais, um caso de amor com Paris



Se você me perguntar qual a melhor região de Paris para morar, ficar ou passear, não titubearei em responder que é o Marais. Ele é simplesmente perfeito. Não é movimentado e nem cheio de turistas, mas tem vida diurna e noturna pulsante com restaurantes, bares, cafeterias e muitas lojas para umas comprinhas. Possui lindas mansões medievais e renascentistas, chamadas de hôtels particuliers, construídas entre os séculos 16 e 18, e lugarzinhos mais descolados. Ótimos museus, com o que existe de melhor em arte, como o Musée Picasso, o Musée Carnavalet e o Musée Cognac-Jay. O Centro George Pompidou fica a minutos do Marais, bem como a Ópera da Bastilha.


Localizado no centro de Paris, o bairro Marais é o 3º arrodissement, mais conhecido como alto Marais e um pedaço do 4º arrodissement, mais tradicional, que vai até a Place des Vosges conhecida como a mais antiga praça planejada da cidade.

    

O significado do nome Marais é pântano e devido sua proximidade com o Louvre, ganhou importância  a partir do século 17, quando se tornou um bairro de gente com posses, principalmente da comunidade judaica. Da Place des Vosges siga para a Rue des Francs Bourgeois, a mais importante do bairro do Marais.

     

Rue des Francs Bourgeois

O nome da rua se origina da palavra francs, que quer dizer isentos de impostos, e eram alberques construídos no ano de 1334  para os mais pobres, nos nºs 34 e 36 da Rue des Francs Bourgeois.

     

O Marais possui lindos hôtels particuliers, mansões simplesmente maravilhosas, muitas abrigam museus, arquivos do Estado, lojas  e  boutiques.

     

Hôtel de Lamoignon

Na Rue Pavée, 24, fica a Bibliothèque Historique de la Ville de Paris, no Hôtel de Lamoignon. A mansão foi construída em 1585 para a Duquesa de d'Angoulême, filha de Henrique II com Diana da França.

     

Hôtel Soubise

Na Rue des Francs Bourgeois, 60 fica o Hôtel Soubise, essa mansão do século 17 abriga os Arquivos Nacionais de Paris.



O acervo possui documentos da Revolução Francesa e 80 mil gravuras retratando a história de Paris. A biblioteca é aberta ao público e funciona de segunda a sábados, das 10 as 18hs.



A Rue des Francs Bourgeois possui um ótimo comércio com os mais variados tipos de lojas de roupas, como Uniqlos  e Nina Kendosa, duas lojas ótimas e não são caras. Outras lojas são a Karen Miller, Mod Design, Gerad Darel, Michael Koors, Mellow Yellow, Barbara Sui, Chanel, Biscote e a Zadig e Voltaire.

 

Produtos de higiene, perfumaria e maquiagem estão em diversas lojas da região, como Bobbi Brown, Make Up Forever, Sakaré, Kiko Milano, Khiels, Guerlain, L'Occitane, Les Parfumaries Fragonard, Marionnaud Perfumaries, Acqua di Parma e MAC.



 

Museu Carnavalet

O Museu Carnavalet é um museu dedicado a história de Paris. Localizado em dois prédios na mansão, de 1548, os salões são todos decorados com móveis de época, objetos de arte, quadros, esculturas e gravuras que mostram a construção da cidade. Entre as gravuras mais famosas estão a de Madame Sévigné, do revolucionário George Danton e de Maria Antonieta. Entre suas salas estão a Sala Luis XV, o Salão de Recepções e o Salão de Baile. Um dos tetos é de Charles LeBrun. Objetos de filósofos como Rousseau e Voltaire estão expostos no museu. O endereço é Rue de Sévigné, 23. Abre de terça a domingo, das 10 as 18hs. Entrada gratuita.

  

O Musée Cognac-Jay fica na rua paralela, a Rue Elzevir, 8 e é um museu com reconstituição de belos interiores do início do século 20.

Museu Picasso

O Museu Picasso é dedicado as obras do grande artista espanhol e fica no Hôtel Salé, construído em 1656, que reúne as obras doadas pela famíia do artista, para pagar os imposto devidos. O museu é belíssimo e passou por uma ampla reforma que otimizou os espaços de exposições. Esculturas diversas do artista estão alocadas em cinco salas. Outras seis salas estão dedicadas à coleção particular de obras de Picasso. Objetos, cartas pessoais e livros fazem parte do acervo do Museu Picasso. Dedique ua par de horas nesse museu imperdível. O endereço do Musée Picasso é Rue de Thorigny, 5. O horário de funcionamento do museu é das 9h30 as 18h, de terça a domingo. O valor do ingresso é ¢ 11,00. Com a Paris Museum Pass a entrada é gratuita e sem filas. Quem não comprar o cartão de museus, sugiro comprar o bilhete on line para fugir da fila.



Liceu Victor Hugo

O Marais foi um bairro que sofreu muito com a invasão dos nazistas dos em Paris. Bairro judeu, teve mais de 11 mil crianças deportadas pelo Governo de Vichy para a Alemanha, e mais de 500 foram assassinadas nos campos de concentração nazistas. A grande maioria estudava no Liceu Victor Hugo.

              

Um dos melhores chocolatiers do Marais é a Masoin Méert, em funcionamento desde 1761. A pequena loja fica na Rue Ezevir, 16, na Place de Thorigny.



     

O Marais é um bairro ótimo para se pedalar e é possível encontrar bicicletas para alugar.

    

Rue des Roisiers



A Rue des Roisiers é uma das ruas mais charmosas e clássicas de Paris. Aqui é o coração do bairro judeu. A comunidade costuma a circular com seus quipás pelas ruas do Marais, já que moram por aqui à séculos e são os proprietários dos principais comércios do bairro.

      

Uma das atrações da Rue des Roisiers é a Patissier Yiddish Sacha Finkelsztajn, que prepara pães e doces ídiches a três gerações. Muita gente famosa já provou suas delícias, entre eles Marc Chagall, Freud e Woody Allen. Imigrantes imigrantes poloneses fundaram a loja em 1935 e vendem a décadas as famosas receitas de cheesecake russo e strudel de maça vienense. A Sacha Finkelsztajn fica no número 27.



Outro clássico imbatível do bairro é o L'As du Fallafel, que tem a fama de ser o melhor falafel do mundo. Para quem não sabe o que é um falafel, é aquele bolinho frito de grão de bico, uma iguaria que une judeus e árabes. Tipo uma almôndega vegetariana. É verdadeira delícia. O restaurante é muito pequeno, possui poucas mesas e fica lotado na hora do almoço ,vejam a fila na foto abaixo. A saída para quem não quer esperar é ir comendo na rua. E não faltam pessoas na Rue de Roisiers comendo os deliciosos sanduíches de fallafel no pão. Conseguimos almoçar sentados, depois das quatro da tarde, quando retornamos e por sorte uma mesa estava vaga. O primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu é cliente fiel do restaurante. O L'As du Fallafel é no número 34.

   

Mas o que não falta na Rue des Roisiers são restaurantes de falafel. Tem o Chez Ana, Chez Marianne, Kings Falafel e o  Mi Va Mi Falafel.



A Boulangerie Murciano é extremamente procurada por seus pães quentinhos, outro clássico judaico do Marais que é imbatível. A boulangerie fica no número 16 da Rue des Roisiers.

   

Apenas não se assuste com o exército francês que patrulha o bairro, depois dos atentados contra o jornal Charlie Hebdo e dos múltiplos ataques em novembro de 2015, estes muito próximos do Marais.

        

Outros pratos fáceis de encontrar na Rue des Roisier são pastrami e borschts.

  

Até porque o bairro é cheio de charcutiers (mercearia de frios e embutidos) e boucheries (açoougues), todos dentro dos preceitos judaicos.

 

Espero ter te convencido a dispensar um dia para um passeio pelo Marais. Paris é muito mais que o Louvre e a Torre Eiffel. E o Marais é a mais autêntica expressão de um modo de vida parisiense.

   

3 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada, Virgínia. Vamos contibuar os posts sobre Paris.

      Excluir
  2. Hehe tenho uma foto dessa porta com a efígie com cobras na cabeça !! Adoro o Marais !!!

    ResponderExcluir