domingo, 18 de setembro de 2016

Um passeio pela Paris menos turística no Arrodissement 5

O arrodissement 5, entre o Quartier Latin e Jardin des Plantes, até o início do 13 Arrodissement é menos turístico e mais parecido com a Paris do dia a dia.


O ponto começa nos Jardins e Palácio de Luxemburgo, que foram projetados tendo como modelo o Palazzo Pitti e o Jardin Boboli, residência da poderosa família Médici de Florença. O local foi encomendado pela rainha consorte Maria de Médicis, viúva de Henrique IV, pra recordar sua terra natal.

Resultado de imagem para jardim e palácio de luxemburgo br

No lado leste do parque, pegue a Rue Soufflot, um belo boulevard que possui uma vista pivilegiada da Torre Eiffel. Após quatro quadras estará na Place du Panthéon.


 



O belo prédio do Panteão da Pátria fica no meio da praça, grandioso, aqui ficam os mausoléus dos heróis franceses, escritores e filósofos franceses. Abordarei o Panteão num post exclusivo. 

Outros prédios imponente da praça são o Tribunal de Instância de Paris (na foto abaixo) e a Faculdade de Direito da Sorbonne.


Bibliotecas da Sorbonne também estão na Place du Panthéon. A maioria dos prédios ao redor pertencem a universidade francesa. A Sorbonne é a maior universidade do país, foi fundada em 1253 por Robert de Bourbon, confessor do rei Louis IX.






A universidade foi criada para que 16 jovens pobres pudessem estudar teologia e sua evolução para um centro de estudos teológicos foi muito rápida.








A Sorbonne foi a primeira oficina de impressão da França, no ano de 1469, quando encomendou três prensas para publicar seus estudos teológicos. A oposição a filosofia liberal do século 18, levou a direção da Sorbonne a fechar sua oficina durante a Revolução Francesa, sendo reaberta por Napoleão no início do século 19.

Alguns dos prédios construídos por Richelieu foram substituídos por outros mais modernos.


A Églisé de St-Etienne-du-Mont abriga o santuário de Sainte Geneviève, a santa padroeira de Paris e guarda as sepulturas dos escritores fraanceses Racine e Pascal. 





























A igreja mistura os estilos gótico e renascentista. Belos vitrais e um magnífico campanário do século 16, adornam a igreja.




St-Etienne-du-Mont fica na Place Sainte Geneviève, próximo ao Panteão da Pátria. Abre de terça a sexta, das 8h45 as 19h30 e sábados e domingos, das 8h45 as 12hs e 14h30 as 19h45. Nos fundos da igreja siga pela Rue Descartes, que após cruzar a Rue Thouin se tranforma em Rue Mouffetard.



Na Place de la Contrescarpe ficava um antigo sistema de água para abastecer um fosso ao redor da muralha medieval que existia na cidade. Em 1852 foi contruída a praça, que hoje é um lugar extremamente acolhedor, com muitos restaurantes e cafés. Ponto de saída para o comércio de bairro da Rue Mouffetard, que abordarei em um próximo post.



Afinal, o comércio de bairro da Rue Mouffetard dispensa uma atenção especial.





Seguindo em frente, após deliciar-se nas dezenas de lojas da Mouffetard, você chegará na Square St-Médard, onde está a igreja de mesmo nome, que remonta ao século 9. O nome se origina do conselheiro dos reis meronvígios, Saint Médard, que presenteva rosas brancas às jovens virtuosas. Seu interior possui telas do pintor espanhol Francisco de Zubarán.

  

O jardim da igreja ficou célebre no século 18, pois era um local de culto dos convulsionaires, fiéis que tinham ataquem de histeria ao presenciar curas milagrosas.




E agora indico para vocês as jóias da coroa das pâtisieries francesas bem ali em frente ao jardim e ao fim do passeio.



É a Pâtissier Carl Marletti, e é simplesmente divino. Mesmo que você já tenha almoçado pelo caminho, não deixe de levar para viagem.



As tartes individuèles são uma perdição. Minha favorita é a tarte aux fruites rouges, a segunda da direita par esquerda na foto acima. Mas são dezenas de opções de tartes: de figos, fruits des saison (frutas da estação), à l'orange (laranja), pêches (pêssegos), citron (limão) e prunes (ameixas) Doces clássicos como doces e baba au rhum, foret noir (floresta negra), e fraisier (morango e millefeullie (mil folhas) das chocolat-pssion, fruits rouges, praliné, vanillé, l'ópera e la tarte tartin. E as eclairs de pistache, vanillé, chocolat, café, frutas, caramelo e camarons de todas as cores, além de chocolates, cakes e das fofíssimas magdaleines.

    

Os preços variam de ¢ 4,90 as eclais, as tartes individuelès de ¢ 4,90 (mais simples como limão) a ¢ 6,80 (mais elaboradas como as Millefeuille e Tarts de fruits rouge).

 

Carl Marletti tem criações próprias, como a le Marie Antoniete. Imagine um macarron vermelho com massa à base de amoras, cortado ao meio e recheado com as mais finas amoras, banhado em crémeux a la roses. Deixo a página do Pâtiessier Carl Marletti, para você conferir se os todos os doces são tudo isso que estou descrevendo (clique aqui).

           












Nenhum comentário:

Postar um comentário