quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Uma viagem sentimental à pequena Patrola Peligna, no Abruzzo

As montanhas do Abruzzo
Último destino de nossa viagem à Itália, a pequena Patrola Peligna, é a cidade onde nasceu o meu pai, Ernesto Tarantelli. Saímos de Roma e percorremos cerca de 150 km, duas horas, pelas autoestradas A24-A25, em direção à Sulmona, região do Abruzzo.



Pratola Peligna é un piccolo paese, com 7, 8 mil habitantes, um entre muitos povoados característicos da Província de L'Aquila,  Abruzzo, próxima a Sulmona, cidade histórica, terra natal do poeta romano Ovídio (43 aC- 17 dC). Sua população se mantém praticamente inalterada desde o final do Século 19.



O Santuário Maddona della Libera (Maria Santíssima da Liberdade), onde se encerra  a tradicional romaria e festa do mesmo nome, todos os anos em maio.


O sonho de conhecer a terra dos seus antepassado está em todos descendentes de imigrantes. Em mim, ele estava vivo durante muitas décadas, desde quando minha mãe contava que a minha avó era proveniente de uma família da nobreza. 



Sempre achei que isso era fantasia, até descobrir, através dos meus parentes na Itália, que Filomena, minha avó, era a Viscondessa de Villanucci e que havia, em Patrola Peligna, um Palazzo Tarantelli, local onde nasceu meu pai.




Acima, o Palazzo Tarantelli, em Patrola Peligna

Ruas do centro da cidade.



Nossa estada foi muito breve, em uma região que merece ser mais visitada e que se estende até o litoral, em Pescara, onde nasceu outro famoso poeta e escritor italiano, Gabriele D'Annunzio, também polêmico político, rotulado como percursor do fascismo.


























A maior parte da região é composta por montanhas, incluindo o Parque Nacional do Abruzzo, nos Apeninos, e o Parque Nacional do Gran Sasso, na Província de L'Aquila.



































Se você, como eu, realizou o sonho de conhecer o lugar de origem de seus ascendentes, envie para nós um relato e fotos de sua viagem.



Nenhum comentário:

Postar um comentário